3 de cada 4 brasileiros vão usar 13º salário para pagar dívidas, diz Anefac

  • 27-10-2015

 

3 de cada 4 brasileiros vão usar 13º salário para pagar dívidas, diz Anefac
Com a inflação elevada corroendo a renda e o aumento das taxas de juros, 74% dos brasileiros pretendem utilizar o 13º salário para pagar dívidas já contraídas, de acordo com pesquisa da Anefac (Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) divulgada nesta segunda-feira (26).
O número representa crescimento de 8,8% na comparação com 2014, quando 68% desejavam usar os recursos para quitar débitos. A maior parte das dívidas (44%) é no cartão de crédito. Em seguida estão cheque especial (39%) e financiamento bancário em atraso (7%).
A pesquisa foi realizada com 1.037 consumidores de todas as classes sociais. A primeira parcela precisa ser paga até 30 de novembro e a segunda, até 20 de dezembro.
Para a associação, o alto percentual de brasileiros que vão usar o 13º com dívidas demonstra que "a redução da atividade econômica, a elevação das taxas de juros e a inflação elevaram o endividamento dos consumidores".
E a situação deve se agravar nos próximos meses, avalia Nicolas Tingas, economista-chefe da Acrefi (que reúne instituições de crédito e financeiras). "O poder aquisitivo caiu com a inflação. O consumidor já vinha de um endividamento anterior que piorou com o desemprego e com o aumento da inflação."
Ele diz que o atual nível de endividamento do consumidor reflete a política de concessão de crédito adotada nos dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e continuada no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff.
"Ele entra no primeiro ano do governo Dilma com um certo grau de endividamento que não tinha antes. Nos últimos dois anos, não teve tanta oferta de emprego, o salário real não é tão elevado como nos primeiros anos do governo Lula. A fonte de aumento de renda seca", afirma. "Ele já está endividado e é atingido pela inflação, ficando com dificuldade de rolar a dívida que tem", complementa Tingas.
GASTOS
A pesquisa mostra também que 8% dos consumidores pretendem usar parte do 13º para comprar presentes, uma queda de 27,3% em relação a 2014. Isso indica, segundo a Anefac, que há uma maior preocupação com gastos neste ano.
Entre os 8% que pretendem dar presentes, 75% querem comprar roupas e 65% optarão por eletroeletrônicos e eletroportáteis.
Com a renda pressionada, apenas 8% já se organizam para pagar as contas de início de ano, como IPVA (imposto sobre veículos), IPTU (sobre prédios), matrícula e material escolar —para os que têm filhos.
"Isto se deve ao fato de que com o maior endividamento das famílias a maior parte destes recursos serão destinados ao pagamento de dívidas o que reduz o volume de recursos que sobram para aplicações financeiras", afirma a associação.
Os presentes serão mais baratos neste ano também, de acordo com o levantamento da Anefac. Se em 2014 um total de 13% pretendiam gastar mais de R$ 500 em presentes, neste ano o percentual caiu para 10%.
Além disso, 42% pretendem gastar entre R$ 200 e R$ 500, seguidos por 32% que vão desembolsar entre R$ 100 e R$ 200 com presentes neste ano.
A maior queda (33,3%) se deu entre os consumidores que pretendem gastar entre R$ 1.000 e R$ 2.000. "Estes fatos podem ser atribuídos à piora da economia em 2015 com a elevação da inflação e dos juros além da retração econômica que aumenta o endividamento das famílias", afirma a Anefac em nota.
ORIENTAÇÕES
O consumidor que recorre ao rotativo do cartão de crédito porque não tem condições de pagar a fatura integral comete um grande erro, afirma Eduardo Tambellini, diretor da GoOn, empresa líder em gestão e risco de crédito.
"Ele está se financiando com as maiores taxas que existem no mercado. Às vezes o cliente tem condições de pegar um empréstimo pessoal a um juro menor, mas acaba sendo seduzido pela facilidade do cartão, que não exige contato com o gerente", afirma.
Quem está com dívida no cartão deve usar o 13º salário para quitá-la, afirma Tambellini. A mesma dica vale para quem tem dívida no cheque especial.
Já o consumidor que está no azul e tem uma reserva para enfrentar as despesas de início de ano deve guardar esse dinheiro extra. "O próximo ano está cercado de muitas incertezas. O momento é de cautela, e não de usar o dinheiro para consumo. A chance de se endividar é grande", diz.
MAIS DICAS
DÍVIDA CARA
Logo que receber o dinheiro do 13º salário, quite dívidas com juros maiores, como cartão de crédito e cheque especial
SEM SALDO DEVEDOR
Se sobrar dinheiro, tente antecipar parcelas de outros empréstimos. Negocie o abatimento dos juros embutidos nessas prestações
NO AZUL
Se não tiver dívidas, utilize os recursos para pagar as despesas de início de ano, como IPVA e IPTU
INVISTA
Coloque uma parte em aplicações que rendam juros, como fundos de renda fixa e CDBs (Certificados de Depósitos Bancários). A poupança pode ser uma boa opção para quem quer formar reserva de emergência
COMPRE À VISTA
Em vez de parcelar, junte dinheiro para pagar o produto à vista. Dessa forma é possível obter desconto junto ao vendedor 
Fonte: Folha Online


Com a inflação elevada corroendo a renda e o aumento das taxas de juros, 74% dos brasileiros pretendem utilizar o 13º salário para pagar dívidas já contraídas, de acordo com pesquisa da Anefac (Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) divulgada nesta segunda-feira (26).


O número representa crescimento de 8,8% na comparação com 2014, quando 68% desejavam usar os recursos para quitar débitos. A maior parte das dívidas (44%) é no cartão de crédito. Em seguida estão cheque especial (39%) e financiamento bancário em atraso (7%).

 

A pesquisa foi realizada com 1.037 consumidores de todas as classes sociais. A primeira parcela precisa ser paga até 30 de novembro e a segunda, até 20 de dezembro.


Para a associação, o alto percentual de brasileiros que vão usar o 13º com dívidas demonstra que "a redução da atividade econômica, a elevação das taxas de juros e a inflação elevaram o endividamento dos consumidores".


E a situação deve se agravar nos próximos meses, avalia Nicolas Tingas, economista-chefe da Acrefi (que reúne instituições de crédito e financeiras). "O poder aquisitivo caiu com a inflação. O consumidor já vinha de um endividamento anterior que piorou com o desemprego e com o aumento da inflação."
Ele diz que o atual nível de endividamento do consumidor reflete a política de concessão de crédito adotada nos dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e continuada no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff.


"Ele entra no primeiro ano do governo Dilma com um certo grau de endividamento que não tinha antes. Nos últimos dois anos, não teve tanta oferta de emprego, o salário real não é tão elevado como nos primeiros anos do governo Lula. A fonte de aumento de renda seca", afirma. "Ele já está endividado e é atingido pela inflação, ficando com dificuldade de rolar a dívida que tem", complementa Tingas.


GASTOS


A pesquisa mostra também que 8% dos consumidores pretendem usar parte do 13º para comprar presentes, uma queda de 27,3% em relação a 2014. Isso indica, segundo a Anefac, que há uma maior preocupação com gastos neste ano.
Entre os 8% que pretendem dar presentes, 75% querem comprar roupas e 65% optarão por eletroeletrônicos e eletroportáteis.

Com a renda pressionada, apenas 8% já se organizam para pagar as contas de início de ano, como IPVA (imposto sobre veículos), IPTU (sobre prédios), matrícula e material escolar —para os que têm filhos.


"Isto se deve ao fato de que com o maior endividamento das famílias a maior parte destes recursos serão destinados ao pagamento de dívidas o que reduz o volume de recursos que sobram para aplicações financeiras", afirma a associação.


Os presentes serão mais baratos neste ano também, de acordo com o levantamento da Anefac. Se em 2014 um total de 13% pretendiam gastar mais de R$ 500 em presentes, neste ano o percentual caiu para 10%.


Além disso, 42% pretendem gastar entre R$ 200 e R$ 500, seguidos por 32% que vão desembolsar entre R$ 100 e R$ 200 com presentes neste ano.
A maior queda (33,3%) se deu entre os consumidores que pretendem gastar entre R$ 1.000 e R$ 2.000. "Estes fatos podem ser atribuídos à piora da economia em 2015 com a elevação da inflação e dos juros além da retração econômica que aumenta o endividamento das famílias", afirma a Anefac em nota.


ORIENTAÇÕES


O consumidor que recorre ao rotativo do cartão de crédito porque não tem condições de pagar a fatura integral comete um grande erro, afirma Eduardo Tambellini, diretor da GoOn, empresa líder em gestão e risco de crédito.


"Ele está se financiando com as maiores taxas que existem no mercado. Às vezes o cliente tem condições de pegar um empréstimo pessoal a um juro menor, mas acaba sendo seduzido pela facilidade do cartão, que não exige contato com o gerente", afirma.


Quem está com dívida no cartão deve usar o 13º salário para quitá-la, afirma Tambellini. A mesma dica vale para quem tem dívida no cheque especial.
Já o consumidor que está no azul e tem uma reserva para enfrentar as despesas de início de ano deve guardar esse dinheiro extra. "O próximo ano está cercado de muitas incertezas. O momento é de cautela, e não de usar o dinheiro para consumo. A chance de se endividar é grande", diz.


MAIS DICAS


DÍVIDA CARA

Logo que receber o dinheiro do 13º salário, quite dívidas com juros maiores, como cartão de crédito e cheque especial


SEM SALDO DEVEDOR

Se sobrar dinheiro, tente antecipar parcelas de outros empréstimos. Negocie o abatimento dos juros embutidos nessas prestações


NO AZUL

Se não tiver dívidas, utilize os recursos para pagar as despesas de início de ano, como IPVA e IPTU


INVISTA

Coloque uma parte em aplicações que rendam juros, como fundos de renda fixa e CDBs (Certificados de Depósitos Bancários). A poupança pode ser uma boa opção para quem quer formar reserva de emergência


COMPRE À VISTA

Em vez de parcelar, junte dinheiro para pagar o produto à vista. Dessa forma é possível obter desconto junto ao vendedor

 
Fonte: Folha Online


Comentários (0)

Deixe seu Comentário nesta Página (mostrarocultar)
* Seu Nome:
* Seu Email:
(não será divulgado publicamente)
Resposta:
Aprovação:
Seu Website:
* Cód. de Segurança:
Security Image Gerar novo
Copie os números e letras da imagem de segurança acima:
* Sua Mensagem:

Enviar a um Amigo

Preencha o formulário abaixo para encaminhar este notícia para um amigo:

Enviar a um Amigo
* Seu Nome:
* Seu Email:
* Nome do Amigo:
* Email do Amigo:
* Imagem de Segurança:
Security Image Gerar novo código
Copie abaixo os números e letras da imagem de segurança
* Mensagem: