Nova Zelândia quer ampliar parceria comercial com o Brasil

  • 14-08-2015

 

O representante para Assuntos de Comércio em Agricultura da Nova Zelândia, Mike Petersen, visitou a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) como parte dos contatos iniciados segunda-feira (10/8/15), de modo a intensificar parcerias comerciais entre os dois países.
 
A embaixadora da Nova Zelândia, Caroline Biekey, destacou que seu país e o Brasil são nações agrícolas e com muitas coisas em comum. "Para isso, as negociações internacionais são extremamente importantes, principalmente quando se tem uma instituição para representar os agricultores. Por isso, a colaboração da embaixada com a CNA será sempre contínua”, áfirmou.
 
O primeiro passo da visita de Mike Petersen ao Brasil foi uma reunião, na segunda-feira, com a secretária de Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tatiana Palermo. Durante o encontro, foi discutido o potencial de parcerias de produtos lácteos, carne, vinho, horticultura e lã.
 
Na oportunidade, Mike Petersen formalizou convite para que a ministra Kátia Abreu visite a Nova Zelândia ainda este ano, a fim de dar continuidade à cooperação entre os dois países.
 
O superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi, informou que, apesar de potência agrícola, o Brasil precisa aprender com o êxito da Nova Zelândia no pragmatismo e eficiência dos processos produtivos. Segundo Lucchi, a agropecuária brasileira precisa de mais pesquisa e maior integração com a agroindústria, fatores determinantes para a competitividade. 
 
A Nova Zelândia tem uma população de 4,6 milhões de pessoas, gande parte trabalhando no setor agropecuário. Mais de 70% dos US$ 12,5 bilhões de exportações são resultado da venda de laticínios,  lã, madeira, carnes e peles para Estados Unidos, China, Austrália, Japão e países da União Europeia. A nação é exemplo de desenvolvimento agropecuário de sucesso sem praticamente nenhum subsídio do governo.
 
A única ajuda oficial é dirigida a pesquisas. O produtor rural tem apoio do governo com assessoramento na produção, consultorias, ajuda médico-veterinária, informações sobre fertilizantes e utilização de softwares. “Há consenso de que a retirada dos subsídios foi totalmente positiva para o setor, gerando uma agroindústria mais dinâmica, direcionada e sustentável”, disse Mike Petersen.
Fonte: Agência Brasil

O representante para Assuntos de Comércio em Agricultura da Nova Zelândia, Mike Petersen, visitou a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) como parte dos contatos iniciados segunda-feira (10/8/15), de modo a intensificar parcerias comerciais entre os dois países. A embaixadora da Nova Zelândia, Caroline Biekey, destacou que seu país e o Brasil são nações agrícolas e com muitas coisas em comum.

 

"Para isso, as negociações internacionais são extremamente importantes, principalmente quando se tem uma instituição para representar os agricultores. Por isso, a colaboração da embaixada com a CNA será sempre contínua”, áfirmou. O primeiro passo da visita de Mike Petersen ao Brasil foi uma reunião, na segunda-feira, com a secretária de Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tatiana Palermo.

 

Durante o encontro, foi discutido o potencial de parcerias de produtos lácteos, carne, vinho, horticultura e lã. Na oportunidade, Mike Petersen formalizou convite para que a ministra Kátia Abreu visite a Nova Zelândia ainda este ano, a fim de dar continuidade à cooperação entre os dois países. O superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi, informou que, apesar de potência agrícola, o Brasil precisa aprender com o êxito da Nova Zelândia no pragmatismo e eficiência dos processos produtivos.

 

Segundo Lucchi, a agropecuária brasileira precisa de mais pesquisa e maior integração com a agroindústria, fatores determinantes para a competitividade.  A Nova Zelândia tem uma população de 4,6 milhões de pessoas, gande parte trabalhando no setor agropecuário. Mais de 70% dos US$ 12,5 bilhões de exportações são resultado da venda de laticínios,  lã, madeira, carnes e peles para Estados Unidos, China, Austrália, Japão e países da União Europeia.

 

A nação é exemplo de desenvolvimento agropecuário de sucesso sem praticamente nenhum subsídio do governo. A única ajuda oficial é dirigida a pesquisas. O produtor rural tem apoio do governo com assessoramento na produção, consultorias, ajuda médico-veterinária, informações sobre fertilizantes e utilização de softwares. “Há consenso de que a retirada dos subsídios foi totalmente positiva para o setor, gerando uma agroindústria mais dinâmica, direcionada e sustentável”, disse Mike Petersen.

Fonte: Agência Brasil


Comentários (0)

Deixe seu Comentário nesta Página (mostrarocultar)
* Seu Nome:
* Seu Email:
(não será divulgado publicamente)
Resposta:
Aprovação:
Seu Website:
* Cód. de Segurança:
Security Image Gerar novo
Copie os números e letras da imagem de segurança acima:
* Sua Mensagem:

Enviar a um Amigo

Preencha o formulário abaixo para encaminhar este notícia para um amigo:

Enviar a um Amigo
* Seu Nome:
* Seu Email:
* Nome do Amigo:
* Email do Amigo:
* Imagem de Segurança:
Security Image Gerar novo código
Copie abaixo os números e letras da imagem de segurança
* Mensagem: