Banco do Brasil faz empréstimo de R$ 4,5 bilhões à Petrobras

  • 22-04-2015

 

Com a ajuda de bancos estatais e do Bradesco, além da decisão de vender plataformas, a Petrobras anuncia já ter conseguido equacionar sua necessidade de financiamento para 2015, a apenas cinco dias de entregar o balanço de 2014, atrasado desde 30 de março.
As operações fechadas somam R$ 18,7 bilhões.
Com isso, a empresa afasta, definitivamente, o risco chegar ao fim do ano com o caixa no limite mínimo de US$ 10 bilhões, como previu em março, antes de realizar operações de crédito.
Do Banco do Brasil, de onde vieram o atual presidente e diretor financeiro da Petrobras, respectivamente Aldemir Bendine e Ivan Monteiro, chegou o desembolso mais imediato, de R$ 4,5 bilhões.
Segundo o fato relevante, a modalidade foi "nota de crédito à exportação", por meio da BR Distribuidora.
RESERVA
Além disso, a estatal aprovou dois limites de financiamento, que, segundo a estatal, ficarão como "reserva".
Um deles foi obtido junto à Caixa Econômica, de R$ 2 bilhões, e o outro, com o Bradesco, no valor de R$ 3 bilhões, ambos com prazo de cinco anos.
A estatal também vai vender plataformas, no valor total US$ 3 bilhões (R$ 9,2 bilhões), em um acordo de cooperação com o Standard Chartered.
O contrato permitirá que a Petrobras readquira as unidades depois de dez anos.
"Essas operações, somadas a outras já executadas neste ano, atendem às necessidades de financiamento da Companhia para 2015", informou a Petrobras.
Em março, a empresa já tinha conseguido empréstimo de US$ 3,5 bilhões (R$ 10,7 bilhões) com o Banco de Desenvolvimento da China.
A taxa desse crédito fornecido pelos chineses, segundo fonte próxima à direção da empresa, foi "inferior a 5% ao ano".
A Petrobras tinha obtido, em março, aval de seu conselho de administração para levantar até US$ 19,1 bilhões (R$ 58,3 bilhões).
A empresa contatou vários bancos para prospectarem eventuais compradores para ativos como usinas térmicas, gasodutos e postos de combustível. Aproveitou a divulgação para negar que pretenda vender ativos do pré-sal.
A estatal disse que vai continuar avaliando oportunidades de financiamento para antecipar parte das necessidades de 2016.
Fonte: Folha Online

Com a ajuda de bancos estatais e do Bradesco, além da decisão de vender plataformas, a Petrobras anuncia já ter conseguido equacionar sua necessidade de financiamento para 2015, a apenas cinco dias de entregar o balanço de 2014, atrasado desde 30 de março.


As operações fechadas somam R$ 18,7 bilhões.


Com isso, a empresa afasta, definitivamente, o risco chegar ao fim do ano com o caixa no limite mínimo de US$ 10 bilhões, como previu em março, antes de realizar operações de crédito.


Do Banco do Brasil, de onde vieram o atual presidente e diretor financeiro da Petrobras, respectivamente Aldemir Bendine e Ivan Monteiro, chegou o desembolso mais imediato, de R$ 4,5 bilhões.


Segundo o fato relevante, a modalidade foi "nota de crédito à exportação", por meio da BR Distribuidora.


RESERVA
Além disso, a estatal aprovou dois limites de financiamento, que, segundo a estatal, ficarão como "reserva".


Um deles foi obtido junto à Caixa Econômica, de R$ 2 bilhões, e o outro, com o Bradesco, no valor de R$ 3 bilhões, ambos com prazo de cinco anos.


A estatal também vai vender plataformas, no valor total US$ 3 bilhões (R$ 9,2 bilhões), em um acordo de cooperação com o Standard Chartered.


O contrato permitirá que a Petrobras readquira as unidades depois de dez anos.


"Essas operações, somadas a outras já executadas neste ano, atendem às necessidades de financiamento da Companhia para 2015", informou a Petrobras.


Em março, a empresa já tinha conseguido empréstimo de US$ 3,5 bilhões (R$ 10,7 bilhões) com o Banco de Desenvolvimento da China.


A taxa desse crédito fornecido pelos chineses, segundo fonte próxima à direção da empresa, foi "inferior a 5% ao ano".


A Petrobras tinha obtido, em março, aval de seu conselho de administração para levantar até US$ 19,1 bilhões (R$ 58,3 bilhões).


A empresa contatou vários bancos para prospectarem eventuais compradores para ativos como usinas térmicas, gasodutos e postos de combustível. Aproveitou a divulgação para negar que pretenda vender ativos do pré-sal.


A estatal disse que vai continuar avaliando oportunidades de financiamento para antecipar parte das necessidades de 2016.


Fonte: Folha Online


Comentários (0)

Deixe seu Comentário nesta Página (mostrarocultar)
* Seu Nome:
* Seu Email:
(não será divulgado publicamente)
Resposta:
Aprovação:
Seu Website:
* Cód. de Segurança:
Security Image Gerar novo
Copie os números e letras da imagem de segurança acima:
* Sua Mensagem:

Enviar a um Amigo

Preencha o formulário abaixo para encaminhar este notícia para um amigo:

Enviar a um Amigo
* Seu Nome:
* Seu Email:
* Nome do Amigo:
* Email do Amigo:
* Imagem de Segurança:
Security Image Gerar novo código
Copie abaixo os números e letras da imagem de segurança
* Mensagem: